Qual a diferença entre Resíduos Classe I e Resíduos Classe II?



A produção de lixo acontece diariamente em comércios e industrias. Logo, o manuseio e a destinação do que é produzido é parte da rotina de todos. Mas em meio a este processo surge alguns termos técnicos utilizados por transportadores de resíduos como seu lixo é seu lixo é Classe I ou Classe II. Saiba como diferenciar e destinar de maneira adequada. Ah, você pode contar com a Koleta Ambiental para isso!


Neste texto, vamos esclarecer a diferença entre Resíduos de Classe I e Resíduos de Classe II e apontar todos os detalhes que levam à classificação correta em seu estabelecimento.


Mas a pergunta continua, o que é um lixo Classe I e um lixo Classe II? Vamos as estas respostas. Ao entender a diferença entre Resíduos de Classe I e Resíduos de Classe II, é possível distinguir a periculosidade de um determinado material e oferecer a alternativa mais adequada de manuseio, transporte e destinaçãoo que contribui à saúde pública, ao meio ambiente e torna seu negócio mais sustentável!



Como funciona a classificação dos resíduos ou lixo (popularmente falando) em Classe I e Classe II?


Em função de suas propriedades físicas e químicas, é possível determinar a classificação de um resíduo avaliando fatores como o índice de periculosidade, processo de obtenção de acordo com as matérias-primas, substâncias constituintes e características.


Feita essa análise, a norma NBR 10.004/04 da ABNT (que estabelece os critérios para classificação dos resíduos sólidos quanto aos seus riscos potenciais ao meio ambiente e a saúde do homem) determina que os resíduos devam ser divididos em duas classes, I e II, como perigosos, não inertes e inertes.


I. Resíduos Classe I — Perigosos;

II. Resíduos Classe II — Não perigosos;

a. Resíduos Classe II A — Não inertes.

b. Resíduos Classe II B — Inertes.


Todo resíduo/lixo que apresenta inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade é caracterizado como perigoso. Logo, faz parte dos resíduos de classe I.


Os resíduos de classe II, por sua vez, não apresentam periculosidade. Porém, assim como qualquer outro lixo que seja produzido, deve ser maneado e descartado corretamente. Por mais que não apresente risco à saúde por suas propriedades químicas e físicas, se descartado de maneira inadequada pode gerar forte impacto ambiental — atingindo negativamente a água, solo, fauna, flora e o ar da região. Esta classe, exclusivamente, é dividida em duas subclasses: resíduos IIA não inertes e resíduos IIB inertes.


A classe II A não inertes é composta por resíduos que apresentam propriedades de biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água. Os materiais que não se enquadram nas classificações de resíduos classe I — Perigosos ou de resíduos classe II B — Inertes também são associados.


A classe II B inertes é composta por resíduos que, quando expostos à temperatura ambiente, se mostram indiferentes à exposição da água destilada ou desionizada. Por possuírem essa característica, não podem alterar a boa potabilidade da água, seguindo os parâmetros indicados no Anexo G da NBR 10004/04.



Exemplos de materiais


Apesar das classificações e suas definições parecerem complexas pelo número de detalhes técnicos, na prática, é fácil o entendimento. Procurando facilitar o gerenciamento e a destinação final destes resíduos, vamos esclarecer através de exemplos práticos a classificação de materiais que pertencem ao dia a dia:


a) Resíduos Classe I — Perigosos;


Em grande parte, a classe de resíduos perigosos não é formada necessariamente somente por objetos tóxicos ou que podem ser cortantes. Existem diversos materiais que pertencem à classe perigosa e, ao mesmo tempo, são parte da nossa rotina diária. Abordamos essa questão em outro artigo, clique aqui para ler e saber de alguns resíduos perigosos que podem estar em seu estabelecimento.


I. Restos de tinta;

II. Material de origem hospitalar;

III. Produtos químicos;

IV. Produtos radioativos;

V. Lâmpadas fluorescentes;

VI. Pilhas e baterias;

VII. Remédios fora do prazo de validade;

VIII. Óleos minerais;

IX. Pastilhas de freio;

X. Filtro de ar;

XI. Pneus;

XII. Resíduos de sais provenientes de tratamento térmico de metais.


Esses são apenas alguns exemplos de alguns materiais que são considerados resíduos perigosos.


b) Resíduos Classe II A — Não inertes;

I. Materiais têxteis;

II. Restos de alimento;

III. Gessos;

IV. Fibras de vidro;

V. Equipamentos de Proteção Individual (quando não contaminados);

VI. Lamas residuais de sistemas de tratamento;

VII. Garrafas PET;

VIII. Lixo doméstico;


c) Resíduos Classe II B — Inertes;


I. Materiais industriais;

II. Pedras;

III. Tijolos;

IV. Areia;

V. Sucatas de ferro;

VI. Rochas;

VII. Alguns tipos de plástico;

VIII. Isopor;


E para concluir, é fundamental compreender que, independente de qual seja a classe pertinente do resíduo, o gerenciamento e destinação devem ser conduzidos de forma adequada. Conte com a Koleta Ambiental para apoiar e criar a melhor alternativa mais adequada para seu negócio.


A sua empresa ou estabelecimento realiza corretamente o transporte, tratamento, destinação e dos resíduos produzidos? Quer que seu negócio seja mais sustentável? A Koleta Ambiental, empresa do Grupo Solví é a empresa ideal para fazer seu negócio mais ecoeficiente. Conte com a gente!


Clique aqui para entrar em contato e solicite um orçamento!

621 visualizações

KOLETA RJ

Telefone SAC: (21) 3278-9300

Whatsapp: (21) 96504-3096

sacrj@koleta.com.br

Av. Pastor Martin Luther King Júnior, 8745 Colégio, Rio de Janeiro - RJ

KOLETA SP

Telefone SAC: (11) 2065-3500

Whatsapp: (11) 95973-5511

sacsp@koleta.com.br

Avenida Gonçalo Madeira, 300

Jaguaré, São Paulo - SP

SIGA A KOLETA!

  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • LinkedIn ícone social
Código_de_Conduta_GRI_Capa.jpg
Política Anticorrupção_GRI_ Capa.jpg
klj.PNG.png

© 2019 - Koleta Ambiental  |  Todos os direitos reservados